Crítica – ‘O Filho Protegido’: thriller argentino peca com roteiro raso

Leia a crítica sem spoiler.

By

Relações conturbadas entre pais e filhos são temas habituais no cinema e que normalmente geram boa repercussão e contam com diálogos profundos para levar à reflexão. Em contrapartida, a Netflix divulgou ‘O Filho Protegido’, uma proposta confusa em meio a um roteiro simples.

Assinado pelo diretor Sebastian Schindel, o longa argentino traz a história de Lorenzo (Joaquin Furríel) e Sigridi (Heidi Toini), grávidos do primeiro filho. Antes da gravidez, o casal habitua uma atração calorosa em meio a sexo e carinho, no entanto o bom convívio acaba se esfarelando após o nascimento do esperado Henrik. 

Após a gestação da esposa, Lorenzo começa a passar por dificuldades para acompanhar o crescimento do pequeno, já que a esposa, acompanhada da misteriosa governanta, não o deixa a chegar perto da criança. O único apoio do pintor é o casal de amigos Renato (Luciano Cáceres) e Julieta (Martina Gusman). 

O roteiro tenta mostrar essa relação conflituosa a qual nos deixa em dúvida sobre o caráter de Lorenzo. Com sinais de perturbação e adepto de remédios para controle emocional, o personagem é colocado como a própria dor da história, mediante a angústia representada nas cores de seus quadros. 

Leia também:

Crítica: La Casa de Papel 3 foca na emoção dos personagens

Crítica: Sequestrando Stella é o clichê do gênero suspense

Na cena do parto onde a esposa e a governanta estão trancadas em um quarto, ao tentar abrir a porta ele dialoga:” Por que vocês estão me deixando trancado aqui do lado de fora?”, uma claustrofobia mental.  

No entanto, a história vai mostrando outros lados da moeda, o que nos faz entender um pouco mais da história. Infelizmente para por aí, e o público fica sem respostas básicas. Afinal, por que o filho não pode ficar perto do pai? Por que Lorenzo é uma ameaça?

‘O Filho Protegido’ conta com ótimas atuações. Conforme os problemas vão aumentando, o clímax nos leva a crer em um grande suspense psicológico, mas morre na praia ao nos deixa órfãos. É uma pena, já que as produções argentinas possuem a marca de serem bem construídas. 

Veja o trailer:


Leave a Comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

You may also like